Buscar
  • Malamanhadas Podcast

Sobre amigos que roubam nossas energias

    O que torna as amizades indissolúveis e dobra seu encanto é um sentimento que falta ao amor, é a certeza.” Essa frase de Honoré de Balzac é perfeitamente prática ao se aplicar a amizade tóxica, em que o sentimento de ter a certeza e de se sentir seguro é justamente o contrário ao que se encontra.


    A diminuição do valor da outra pessoa e/ou das suas conquistas é um dos fatores mais comuns. Em uma amizade tóxica, as pessoas são amigas e inimigas ao mesmo tempo. Há proximidade e distanciamento. Para sustentar esse jogo duplo se recorre à crítica mascarada. O mais comum é haver críticas de ambos os lados, que se mantêm ao longo do tempo. As duas pessoas se machucam mutuamente, mas conseguem encobrir esse sentimento que corroí aos poucos e que a falta de reciprocidade afetiva destrói.


    Uma amizade tóxica tira muito mais do que ela dá. Na realidade, pouco tem a ver com amizade. Talvez haja até uma verdadeira simpatia paralela , mas a forma como se estrutura o vínculo ou se leva a relação faz com que ela se torne nociva para ambos. Não é apenas a outra pessoa que é o problema, quem tolera esse tipo de relação passivamente também o é, porém é necessário que se saiba que o passivo da relação tóxica normalmente se encontra nela inconscientemente.


    O sentimento de necessidade de estar com alguém ao seu lado e a baixa autoestima são fatores compreensíveis que desencadeiam a toxidade nas amizades. E como um leopardo que deita num corpo humano e se usa dele para o descanso e benefício próprio: no que o peso do corpo do leopardo a cada dia, a cada semana, a cada mês, vai nos sufocando lentamente, até o ponto de não conseguirmos mais respirar. Assim é uma relação de amizade tóxica, algo que se inicia como algo aparentemente positivo, que só tenha a te fazer bem, mas vai gradualmente sufocando, e se usufruindo das suas boas energias.


Texto escrito por Jhoária Carneiro.

55 visualizações