Quem Somos

Malamanhadas é um espaço de diálogo construído e pensado por mulheres, que surgiu para espalhar as palavras dos feminismos. Nosso objetivo é levantar debates que contribuam para a união, protagonismo e garantia de diretos das mulheres na sociedade. Nascemos como um podcast, mas nossas discussões se amplificam em diversos formatos.

Somos um grupo colaborativo de mulheres piauienses que lutam e resistem diariamente. “A revolução será feminista”, essa é a primeira sentença. Você tem um minuto para ouvir nossa ladainha?

Instagram // Twitter

 

EQUIPE

Aldenora Cavalcante é colunista e podcaster do Malamanhadas. Conta histórias, fotografa pixo e escreve cartas aos domingos. Nasceu de novo durante seu processo de transição capilar. Mulher nordestina pelo mundo. Faz tudo junto ao mesmo tempo agora. Não sabe ser outra. Ariana, jornalista e funcionária pública.

Ananda Omati é podcaster, editora de áudio e idealizadora do Malamanhadas. Feminista materialista nos estudos. Jornalista Esportiva na profissão. INFP-T. Conversa com os animais e eles respondem.

Jhoária Carneiro é social media, videomaker e podcaster do Malamanhadas. É acadêmica de jornalismo, feminista, bissexual, constrói o coletivo de juventude RUA, Juventude Anticapitalista, radialista na rádio pioneira FM, tem o hábito incontrolável de rir nos piores momentos, ama um vinho e não vive sem seus fones de ouvido.

Letícia Lima é produtora e podcaster do Malamanhadas. É feminista e bissexual. Está concluindo o curso de Direito na UFPI e a especialização em Direitos Humanos do Instituto Esperança Garcia. Constrói o movimento RUA - Juventude Anticapitalista e acredita num mundo feminista, antirracista e LGBT em que a vida esteja acima do lucro.

Vitória Ribeiro é produtora e podcaster do Malamanhadas. É interprete de libras. Sonha em fazer parte de um grupo de pagode/samba. Ama desenhar. Sente orgulho por ser filha de surda. Libriana, que não sabe decidir as coisas sozinhas. Determinada em tudo que faz. Piauiense que odeia o período do b-r-o bró. Ama olhar para prédios e casas abandonadas.