Buscar
  • Malamanhadas Podcast

Um texto sobre flores

Segundo a Wikipédia, flor é a estrutura reprodutiva das angiospermas, essa definição botânica está alinhada ao que ouvia da minha professora de Biologia, que toda flor completa apresenta quatro verticilos florais: cálice, corola, androceu e gineceu, já meu tio, especialista em cultivar lindos girassóis, diz que flores são seres da quarta dimensão mais enigmáticos, poderiam ser graciosos e perfumados embelezando qualquer ambiente, mas se você olhar bem poderá perceber sua frieza e hostilidade, chega ser desconfortável habitar o mesmo espaço que elas. Cresci deste modo ouvindo definições das mais diversas formas sobre algo que eu não compreendia bem, afinal, o que são flores?


Ao longo da vida colecionei muitas flores secas e mofadas dentro de diários com infinitas declarações de amor e vários outros pensamentos escritos que apenas garotas de 15 anos irão entender. Revirando o quarto encontrei-as guardadas em caixas de sapado com cheiro de lembranças envolto por papéis de seda amarelados do tempo. Naquele súbito momento percebi meu entrelaço com esses seres vivos.


A necessidade de se colecionar flores secas e mofadas se transfigura agora, já adulta, em inúmeras fotos de Crista de Galo, Alamanda e pequenos Cajueiros. Virei uma colecionadora de flores, pois elas representam para mim uma simplicidade natural e uma singularidade que cada brotinho possui. O perfume das flores me recorda velhas lembranças em que eu e ela estávamos juntas, o cheiro de rosas brancas envolvidas por uma coroa permeava o ambiente melancólico e tudo tinha uma atmosfera funébrica, lembro-me que o perfume adocicado que cobria o caixão se casava perfeitamente com o cheiro de vela derretida e como aquela mistura me causa uma sensação desconfortante de comunhão com a morte, deve ser porque toda aquela sensação estava guardada dentro de mim, eu precisava dela pra reviver aquele momento. Precisava sentir seu aroma, tocar levemente seus espinhos, cobrir meu corpo com uma terra fresquinha e saborear aquela atmosfera de conforto imensa. Eu, enfim, pertenceria a você.


As flores estão ali, sem que eu perceba elas estão me acompanhando na longa jornada e espero que ao final deste caminho elas estejam também, assim, sutilmente, no arrepio do ar que cheira a pólen e seiva, eu sinta sua presença.



Texto escrito por Nariani Lopez.

36 visualizações